Publicação em destaque

UMA ADSE JUSTA E SUSTENTADA, Manifesto

Manifesto da Lista Candidata ao Conselho Geral e de Supervisão da ADSE apoiada pela APRe! O Decreto-Lei nº 7/2017 de 9 de Janeiro, que c...

13.8.14

Nota enviada à imprensa, sobre as "notícias plantadas" na imprensa




Estranha Coincidência!!!
Hoje os Portugueses acordaram com notícias respeitantes a “falta de verbas” para pensões, em diferentes órgãos da comunicação social, nomeadamente em jornais de grande tiragem, como o Correio da Manhã. Pior que não haver informação é haver orgãos de informação que escamoteiam e ''esquecem'' documentos públicos que podem consultar, desinformando a população e desviando as atenções de acontecimentos gravíssimos ao nível da banca, para mais um favor ao Governo em véspera de decisões do Tribunal Constitucional sobre cortes nos salários da função pública e sobre os cortes definitivos nas pensões.

Alguns títulos: “Contribuições para a Caixa Geral de Aposentações só pagam 14,5% das pensões” na “pagina1.sapo.pt”. Na capa do Correio da Manhã: "Buraco de 6,3 mil milhões de Euros nas pensões do Estado"! Esquecem-se os autores destas notícias de acrescentar, que os descontos dos funcionários que entraram para o Estado nos últimos nove anos não foram para a CGA, mas sim para a Segurança Social, logo, menos dinheiro a entrar na CGA por decisão dos governos; o número de trabalhadores da Função Pública tem vindo a ser reduzido devido às políticas deste governo, logo menos descontos para a CGA; à divida acumulada do Estado à CGA por ausência do pagamento que competia à entidade empregadora, juntando-se o pagamento de pensões a trabalhadores CTT, de Macau e do Banco Nacional Ultramarino (BNU)..., entre outros, cujos fundos de pensões foram usados pelos governos para suprir falhas orçamentais e neste momento já praticamente não têm dinheiro. Quem contribuiu para o buraco não foram os pensionistas que sempre cumpriram com as suas obrigações, logo não têm que ser estes a pagar todas as facturas. Se há "buraco" o governo que o tape com o dinheiro do orçamento. Há dinheiro para a "ladroagem" do BES e não havia de haver para as pensões? "Tão ladrão é o que rouba como o que fica à porta" ditado antigo que pode ser lido nesta nova versão: "Tão ladrão é o que rouba como o que lhe dá cobertura"!!!

Pel’A Direcção da APRe!
Maria do Rosário Gama