15.7.15

Uma visão diferente do acordo entre a Grécia e a UE

Desculpem lá remar uma vez mais contra a maré e desculpem-me estar outra vez a dizer o contrário do que diz a maioria ou ser talvez um excêntrico em relação ao pensamento dominante.

E desculpem o meu cinismo ou o meu realismo burkeano mas eu acho este acordo muito positivo.

Este acordo saído de Bruxelas, se confirmado estes dias em Atenas, será um acordo útil. E arrisco-me mesmo a dizer que constituirá uma importante base sólida para o futuro.

É óbvio que a Grécia saiu momentaneamente pisada, rebaixada, diminuída. Mas já o estava antes. E que isto não irá resolver o problema económico de fundo, nem irá, para já, aliviar os gregos, à excepção de recolocar os bancos a funcionar e colocar o Estado a respirar. Dá no entanto o bem mais precioso: tempo. Uma pausa, tréguas. Aguenta a Grécia na Zona Euro enquanto esta se não desmantelar consensualmente no futuro (cada vez mais próximo).

Este é um acordo em estado de emergência: os bancos estão à beira do colapso, e daqui a pouco tempo não poderão garantir sequer os levantamentos autorizados de 60 € nos ATMs, nem os 120 € semanais aos pensionistas. As importações de produtos estão suspensas. as empresas estão a esgotar os últimos stocks. Materiais e produtos essenciais para o funcionamento de fábricas e instalações estão sem chegar. As reservas turísticas caíram em flecha. Poderá existir uma quebra de abastecimento de combustíveis, comida e alimentos.

Podemos todos olhar para este acordo como uma capitulação. Mas eu encaro-o como uma necessária retirada estratégica.

E, caso se consigam reunir na Grécia as condições de unidade nacional, tão arduamente criadas nestes meses, eu vejo-o como uma importante vitória táctica do governo grego.

Se no fim de contas a Grécia for salva e o governo não cair, e este governo puder aproveitar algumas das exigências que lhe fazem para fazer as reformas institucionais que de outra forma não conseguiria fazer sozinho, então os conservadores do PPE apenas terão para se vangloriar o sofrimento inconfessável que vingativamente causaram à população grega.

Nervos de aço agora!

Além de que é preciso vermos a floresta europeia em vez de só olharmos para a árvore grega: a Grécia estava sozinha e agora já não está.

Pelo contrário quem antes tinha todos dissimuladamente do seu lado e não era temida nem estava desprestigiada aos olhos dos europeus e dos seus governos era a Alemanha. A Alemanha punha e dispunha e não pagava nenhum preço por isso. Agora é precisamente o contrário.

Este acordo é verdadeiramente péssimo, horrível e desastroso para a Alemanha. E consequentemente, também o é para o seu modelo de Eurolândia.

Reparem: a Alemanha foi tão longe, assumiu com uma clareza tão evidente as suas intenções, que estes dias talvez tenham sido os dias mais negros e desastrados para a diplomacia alemã desde o Telegrama Zimmermann de 1917 que precipitou a sua derrota final na I Guerra Mundial.

Mais uma vez a Alemanha não soube quando parar. Pela terceira vez em 100 anos!

A partir de ontem ninguém, nenhum governo, nenhuma opinião pública irá mais confiar num país que colocou por ESCRITO a intenção de voltar a fazer com um país soberano da Europa, em pleno Século XXI, aquilo que as antigas potências coloniais imperiais fizeram no Século XIX desde o Egipto ao México, desde a China à Indochina.

A França, a Itália, a própria Espanha, têm um limite. E esse limite foi ontem atingido.

A partir de ontem o Euro é agora visto por todos como uma armadilha. E a sua face horripilante é a do Dr. Schäuble. Para toda uma geração de europeus o alemão será sempre o perigo. Será sempre o problema a evitar. E agora a grande questão não será a de reformar as instituições europeias mas sim como nos livrarmos do Eurogrupo, do Euro, de todas estas cimeiras e suspenses, de nos libertarmos de um jugo de tal maneira opressivo que determina quantos feriados cada país pode observar, se pode não cortar mais x milhões nas reformas dos seus velhos, qual a percentagem que cada país pode cobrar no IVA por cada litro de leite, ou se deve ou não obrigar as mercearias a estarem abertas aos Domingos. De uma moeda que nos obriga a ser todos alemães à força mas com o mesmo nível de vida dos moldavos ou dos arménios.

O que é que a Alemanha conseguiu com este acordo? Nada! Antes pelo contrário: arrisca-se a perder o seu dinheiro, e muito pior, arruinou completamente a sua reputação.

O valor reputacional de cada país, sendo intangível, é no entanto um bem precioso. Leva décadas a construir. E bastam poucos dias para o destruir.

Infelizmente Angela Merkel já tinha ascendido à liderança alemã dando uma traiçoeira facada nas costas de Helmut Khol, a quem tudo deve. Agora ficará nos livros de história, pela sua incompetência e falta de autoridade, como a mulher que destruiu o legado e a obra de Konrad Adenauer, de Willy Brandt, de Helmut Schmidt ou de Helmut Khol. Não admira pois que este último gigante esteja agora a morrer!

Este acordo vai resolver os problemas futuros da Grécia? Não vai. Vai aliviar a população? Também não vai.

Mas vai permitir salvar para já a Grécia. E a prazo, com tempo, salvar também toda a Europa desta loucura. A Alemanha destruiu a Europa 3 vezes. Cabe agora à Grécia saber resistir outra vez, pela 3ª vez. Dói? Mas é imperioso.

Por vezes só temos a certeza quando vemos. Chegou pois a hora: estes dias vimos todos. Já ninguém pode mais dizer que não sabia de nada.

Agora, tudo o que a Esquerda grega (e a portuguesa e a espanhola) têm é de deixar de ser estúpidas. Sei que é quase uma contradição nos termos. Mas por uma vez na História, por favor, chegados aqui, deixem de ser estúpidos!

Nós, todos os outros, precisamos também de vocês!

Carlos Reis
https://www.facebook.com/carlos.reisdossantos/posts/10153469902171506