Publicação em destaque

UMA ADSE JUSTA E SUSTENTADA, Composição da Lista

Composição da Lista Candidata ao Conselho Geral e de Supervisão da ADSE apoiada pela APRe! Candidatos Efectivos 1º Crisóstomo Teixei...

30.12.15

Tempo de esperança

Um homem de 74 anos morre no hospital de Coimbra vítima de um AVC isquémico. Não seria notícia, naturalmente, se o doente não tivesse sido transferido do hospital de Faro de ambulância para o hospital de S. José, em Lisboa, o mesmo onde David Duarte morreu devido à rotura de um aneurisma. Tal como no caso de David, no "S. José" não havia equipa para tratar o idoso, sendo "empurrado" para Coimbra, onde viria a falecer. Provavelmente morreria, mesmo se tivesse sido tratado no Algarve. Mas a dúvida subsistirá. O importante aqui é perguntar: que país é este em que um cidadão residente no Algarve acaba internado em Coimbra por falta de condições hospitalares na região onde vive? Que país é o nosso em que um hospital transfere doentes por não ter médicos aos fins de semana?

É legítimo, sem dúvida, o protesto dos médicos contra os cortes sofridos no pagamento de horas extras. Estranho seria que ficassem quietos. Mas há muitas formas de protesto. Virar costas a um doente em risco de vida não é um gesto digno, sobretudo por quem jurou fazer da sua missão na sociedade uma luta contínua pela vida dos outros.

Alguém terá de explicar o que levou os profissionais do hospital de S. José a resignarem-se. E, em vez de pedir apoio a um hospital da área (ao "Santa Maria", por exemplo) para prestar auxílio a David Duarte, optarem, numa noite de sexta-feira, por esperar pela manhã da segunda-feira seguinte. Tarde de mais.

Com um novo ano à porta, muitos portugueses espreitam nos tempos que se aproximam largos sinais de esperança. Nos últimos meses, vivemos em Portugal momentos julgados impensáveis, por isso mesmo momentos fora do comum. O movimento está feito, resta esperar pela mudança. Esse é o grande desafio dos que conseguiram desenhar e concretizar um acordo histórico. O entendimento à esquerda, no Parlamento, que conduziu António Costa, contra a opinião dos mais céticos, à liderança do país .

É preciso, no entanto, que tudo não fique na mesma. Casos como os do hospital de S. José são inadmissíveis num país da União Europeia: morrer por falta de assistência, devido a cortes cegos no Serviço Nacional de Saúde, é intolerável. Não basta, todavia, atribuir as culpas aos cortes feitos pelo anterior Governo PSD-CDS. É necessário que os profissionais de saúde assumam também as suas responsabilidades. A profissão deles não é uma qualquer. Foram formados para salvar vidas - e, parece, nem todos apresentam a preparação moral desejável.

Paula Ferreira
Opinião JN 29.12.15