Publicação em destaque

UMA ADSE JUSTA E SUSTENTADA, Composição da Lista

Composição da Lista Candidata ao Conselho Geral e de Supervisão da ADSE apoiada pela APRe! Candidatos Efectivos 1º Crisóstomo Teixei...

10.2.16

Centralismo, de novo


Volto hoje ao tema do centralismo europeu.

Não se trata de nenhuma obsessão, mas sim de uma constatação. Dia a dia, a Comissão Europeia anuncia mais propostas de reforço do poder para as instituições europeias, sejam elas o Conselho, o Banco Central Europeu ou ela própria Comissão.

É difícil encontrar paralelos históricos de um tal frenesim normativo, que vai pregando novos pregos no já quase enterrado caixão da cooperação europeia.

Nós, Portugueses, sabemos bem o que significa o centralismo. Ainda agora pagamos mais de dois mil milhões de euros no processo Banif (a seguir a um valor ainda indeterminado do BES) sem nenhuma razão senão a de termos perdido o controlo do nosso sistema financeiro, entregando-o à burocracia europeia.

O processo usado pela Comissão para obter mais e mais poderes para as instituições comunitárias é simples e nem sequer é original. Tem sido utilizado por muitos regimes políticos, em particular ditaduras, para reforçar os seus poderes. Funciona assim:

- há um problema real e sério que afecta um certo número de estados da União. Imediatamente, a Comissão empola o problema e faz fazer passar a mensagem de que a solução está em atribuir mais poderes às instituições europeias para lidar com a questão. Quando as opiniões públicas estão suficientemente intoxicadas, faz uma proposta de normativo que lhe atribui poderes reforçados. Os governos, pressionados pela opinião, pública aceitam. O centralismo reforça-se - e os problemas agravam-se, porque todo o centralismo acaba por ser ineficiente.

A última destas propostas é a criação de uma guarda costeira europeia com poderes de intervenção no território marítimo dos estados-membros, mesmo sem autorização destes! Supostamente, iria resolver o problema dos refugiados. Na prática, só o agravaria.

Além de, no nosso caso, violar directamente a Constituição Portuguesa, tal proposta viola também de forma clara o nº 2 do artigo 4.º do Tratado da União Europeia. Nenhum governo digno desse nome poderá aceitar tamanho dislate. Infelizmente, os governos portugueses no lidar com a União Europeia têm sido, no passado, tudo menos dignos. Veremos...

João Ferreira do Amaral
http://rr.sapo.pt/artigo/44874/centralismo_de_novo