26.2.16

Nova telesaúde para idosos, via telemóvel, promete ajudar a tomar medicamentos

Portugal tem uma das mais baixas percentagens da Europa de teleassistência em casa para os mais velhos. Especialista defende que esta pode ser a solução para muitos idosos não acabarem num lar.



Medir e acompanhar a tensão arterial dos idosos ou avisá-los quando devem tomar a medicação. Estas são duas das funcionalidades do novo sistema de teleassistência e telesaúde que será apresentado esta quinta-feira pela Associação Nacional de Cuidado e Saúde (ANCS).

Numa primeira fase, a ideia da associação sem fins lucrativos é conseguir a adesão de 20 municípios a um projeto-piloto que garanta este serviço a 50 idosos em cada concelho, estando já garantida a adesão das câmaras do Fundão e da Lousã.

José Serra, vice-presidente da ANCS, diz que a tradição em Portugal é colocar os idosos em lares. Contudo, isso não é a melhor solução, a não ser em casos limite, e o número de casas com teleassistência é muito baixo quando comparado com o resto da Europa.

O especialista diz que apenas 0,3% dos idosos portugueses têm teleassistência, enquanto que em Espanha são mais de 10% e no Reino Unido chega aos 17%.

A ANCS defende que Portugal está muito atrasado a este nível e por isso tem uma oportunidade para desenvolver um sistema mais avançado de teleassistência que em vez de apenas ajudar os idosos em situações de emergência também monitoriza, à distância, a sua saúde, num novo mecanismo de telesaúde.

José Serra diz que o sistema via telemóvel desenvolvido permite também acompanhar as medições de glicemia ou da tensão, bem como lembrar da medicação, cujas falhas são uma das principais razões para institucionalizar os idosos.

Nuno Guedes
http://www.tsf.pt/sociedade/saude/interior/-nova-telesaude-para-idosos-via-telemovel-promete-ajudar-a-tomar-medicamentos-5047405.html