26.8.16

“Panamá Papers”: 5 meses depois, anda tudo aos papéis?

Dois dias depois do “dia das mentiras”, em 3 de Abril, rebentou uma “bomba atómica” no mundo político, empresarial e financeiro: a revelação dos chamados “Panamá papers”. 11,5 milhões de documentos confidenciais da Mossack Fonseca, com informações sobre mais de 214 000 empresas em paraísos fiscais, envolvendo ainda chefes de Estado e governantes e influentes pessoas na generalidade dos países. Sobre o assunto escrevi, então, o texto “Colapso ético num inferno paradisíaco”.

Foram dias de avalanche informativa, houve debates inflamados e discursos políticos com promessas de mudanças para erradicar os paraísos do anonimato, da opacidade, da confidencialidade e da fuga fiscal. Apoquentaram-se mitos, personagens e poderes. Ao mesmo tempo, os tablóides escritos e televisivos tiveram matéria-prima para toda a sorte de voyeurismo onde tudo se confundiu e igualizou.

Cinco meses depois, o que constatamos? O silêncio regressou (de ouro, para alguns), os “Mossack Fonseca” voltaram à normalidade, os estadistas, homens públicos e de negócios implicados afinal são todos angelicais investidores (salvo o PM islandês que, a custo, se demitiu), ninguém sabia de nada, bancos envolvidos retomaram a sua vida sem sobressalto, a Europa e os EUA entretêm-se com análises bizantinas e inconsequentes, o trabalho continua a ser o mais penalizado com taxas insuportáveis para compensar a fuga de rendimentos de capitais para offshores.

O frenesim noticioso, os escândalos, as indignações perdem-se na rotina do tempo depois. Já tudo é “normal”, mesmo a anormalidade. O assunto está agora na última página (e em rodapé) das agendas políticas. A ignomínia só tem rosto no primeiro dia, depois dissolve-se ou é trucidada por um acontecimento posterior e assim sucessivamente. O dia seguinte despreza o dia anterior. E este não serve de lição para o seguinte. A sociedade, anestesiada pela enxurrada noticiosa de cada dia, parece que deixou de ter memória. Enfim, anda tudo aos papéis, para sossego dos malfeitores. Uma tristeza!

António Bagão Félix