19.3.17

Meu pai havia de gostar

O meu pai havia de gostar de saber que os carteiros holandeses se prontificam a desempenhar serviços comunitários que vão muito para além da distribuição postal. Lá como cá, a generalização do correio eletrónico e das telecomunicações é de tal forma que, diz um dos nossos, isto agora já ninguém manda cartas a ninguém, sobram as contas para pagar. Há menos cartas, mas os carteiros podem ser os olhos e ouvidos mais próximos. Afinal, poucos como eles conhecerão cada rua, ou bairro, cada lugar.

O projeto-piloto holandês, que começou com a leitura dos contadores de água, gás e eletricidade, vai desde a monitorização do estado dos contentores de lixo, à altura das ervas daninhas na via pública e, até, à verificação se as cortinas da casa de um idoso continuam corridas há vários dias, pelo que tal poderia ser sinal de doença ou acidente doméstico... Equipados com um telemóvel e uma aplicação específica que lhes permite introduzir e enviar os dados para os serviços municipais e de apoio social, os carteiros desempenham novas tarefas. São simples, é certo, mas úteis e, em muitos casos, daquelas que humanizam a vida em vizinhança. O ensaio foi um êxito, e em 2018 será alargado a todo o território dos Países Baixos, variando, conforme os casos, a natureza das obrigações pedidas aos carteiros.

Meu pai era carteiro e havia de gostar de saber. Ele, que guardava orgulhosamente o diploma em que a assinatura do correio-mor lhe conferia a categoria de "provincial de 3.ª classe", conhecia cada lugar do município e cada um dos conterrâneos pelo nome e número da porta. Naqueles longínquos anos das minhas férias grandes, em que ele andava no giro rural, levava-me na lambreta. E a maior prova de confiança que me podia demonstrar era dividirmos entre nós a bolsa do correio para distribuir, cartas com selos da nossa emigração e muitos, muitos, aerogramas (assim se chamava o envelope de papel-bíblia do serviço postal militar) com notícias dos filhos combatentes nas guerras de África. Atacávamos então as aldeias, cada um por seu lado. E num tempo em que um em cada três portugueses não tinha ido à escola, parte da minha e da nossa missão era ler a correspondência em voz alta, a pedido dos destinatários, por vezes diante de toda a vizinhança consentida. E ele, orgulhoso de mim, quando me recompensavam: um molho de agriões aqui, um saco de figos acolá. Foi com o meu pai que comecei a dar notícias. E quantos aerogramas eu sei de cor! Muitos começavam assim: "Querido e saudoso pai!" E todos os dias eram dias dele, sem eu nunca lho ter dito.

Afonso Camões
Opinião JN 19.03.2017
Leia mais: http://www.jn.pt/opiniao/afonso-camoes/interior/meu-pai-havia-de-gostar-5734194.html