4.12.17

Centeno eleito presidente do Eurogrupo


Ministro das Finanças português foi eleito na segunda volta, disputada apenas com o luxemburguês Pierre Gramegna. O eslovaco Peter Kazimir e a candidata da Letónia Dana Reizniece-Ozola retiraram a sua candidatura depois da primeira ronda de votações.

Mário Centeno foi esta segunda-feira eleito presidente do Eurogrupo pelos ministros das Finanças da zona euro.

O ministro português foi eleito na segunda volta, depois de numa primeira ronda nenhum dos candidatos ter conseguido obter uma maioria simples, isto é, 10 votos em 19 ministros.

Centeno disputou a segunda volta apenas com o luxemburguês Pierre Gramegna, depois de o eslovaco Peter Kazimir e da letã Dana Reizniece-Ozola terem retirado a sua candidatura.

Centeno partia como favorito na corrida à liderança do Eurogrupo, depois de ter conseguido reunir um grande número de apoios, entre eles o da Alemanha, França, Itália e Espanha. Ao início desta tarde, Jeroen Dijssembloem já tinha dado o ministro das Finanças português como seu sucessor, corrigindo imediatamente depois a sua declaração. À entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, onde viria a ser escolhido o novo líder, o ex-ministro das Finanças holandês afirmou: “Sou presidente do Eurogrupo até 12 de janeiro e Mário Centeno sê-lo-á a 13”. Percebendo o deslize, corrigiu logo de seguida: “Eu disse Mário Centeno? Obviamente, não sei quem vai ganhar. Aparentemente, o nome dele estava na minha cabeça. Façam-me um favor; não me citem sobre este tema”.

O processo de eleição previa a realização de quantas voltas fossem necessárias até ser alcançada uma maioria simples por um dos candidatos. Ou seja, pelo menos 10 votos entre os 19 membros da área do euro. Também esta segunda-feira, à entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, Centeno afirmou que o objetivo para a eleição do novo presidente é obviamente ganhar” e, se possível, à primeira volta. “O objetivo em qualquer eleição em que nos colocamos é obviamente ganhar. Fizemos o que tínhamos que fazer dentro do grupo dos países com governos sociais-democratas (socialistas), depois conversando de forma muito aberta com os outros grupos políticos”, afirmou então o ministro português.

Questionado pelos jornalistas sobre se esperava vencer logo na primeira volta, Centeno admitiu que “seria um bom resultado”, uma vez que “qualquer candidato que seja eleito à primeira volta num processo destes tem obviamente uma posição se calhar reforçada”. Referindo-se à eleição do novo líder do Eurogrupo como “o início de um novo ciclo político em muitos países na Europa”, o ministro português sublinhou então a importância de iniciar um “processo de reformas que completem algumas das instituições-chave da área do euro que todos identificam como não estando completas, começando seguramente pela união bancária”. O ministro reiterou ainda que o objetivo da sua candidatura passa por “gerar consensos”. “Mostrámos a todos que podemos alcançar consensos, podemos trabalhar com outras partes, com as instituições. Portugal é um exemplo disso ultimamente, por isso penso que estou numa boa posição”.

Mário Centeno assumirá as rédeas do Eurogrupo a partir do dia 13 de janeiro, data em que termina o mandato de Jeroen Dijsselbloem, e permanecerá no cargo durante dois anos e meio.


Susana Frexes, correspondente em Bruxelas, Helena Bento e Luísa Meireles
Jornal Expresso, 2017-04-12