2 de janeiro de 2021

Um desejo para 2021: conseguirmos atrasar um bocadinho a morte de Lisboa

 

  
Miguel Esteves Cardoso
 Sobre a necessidade de reflectir sobre as cidades

 Este ano de pandemia pode servir como uma chamada de atenção para o que fica quando se fecha a torneira do turismo. O que fica é Lisboa. Lisboa são as pessoas. É feita pelas pessoas que cá vivem. É feita não para mostrar ou para iludir ou para encantar: é feita para viver, para sobreviver, para ir de dia em dia.

 


 A minha esperança para 2021 é para a minha cidade, Lisboa, embora infelizmente Lisboa não esteja sozinha em Portugal ou no mundo na voragem da descaracterização antropológica, estética e cultural. Há cidades ainda mais perdidas do que Lisboa - Veneza é a que mais dói aos venezianos - e outras que conseguiram reter a alma com mais sorte do que teve Lisboa, mas são as cidades portuguesas e aquelas que os portugueses mais visitam que mais nos devem preocupar.

 

https://www.publico.pt/2021/01/01/fugas/opiniao/desejo-2021-conseguirmos-atrasar-bocadinho-morte-lisboa